fbpx

A arte nem sempre foi percebida da maneira que a entendemos hoje. A própria definição do termo é algo controverso. Isso porque o que entendemos por arte, sua função e seus significados podem variar de acordo com a cultura.

Levando em consideração o senso comum ocidental, a arte é entendida como um objeto produzido por um artista para a um local expositivo e destinado a apreensão de um espectador. Nem sempre foi assim.

Para compreendermos como essa noção parece tão óbvia atualmente, precisamos refletir um pouco sobre como ela se formou, levando em consideração suas principais características.

Para o filósofo Jacques Rancière, um regime é “um tipo específico de ligação entre modos de produção das obras e das práticas, formas de visibilidade dessas práticas e modos de conceituação destas e daquelas”.

Como modos de produção, podemos entender o que é produzido e como é produzido.

As formas de visibilidade são maneiras de apresentar ou, como o próprio termo indica, como a obra se torna visível para os membros de determinada comunidade.

E por fim, os modos de conceituação são justamente o que se pensa e se diz tanto sobre a produção, quanto a exposição da produção. Em outras palavras as ideias que permeiam tais práticas.

Isso significa que um regime da arte é justamente uma cultura que envolve o que é considerado arte, a forma que ela é exibida para um público e os conceitos que dão sentido aos dois quesitos anteriores.

Rancière distingue na tradição ocidental três grandes regimes das artes: um regime ético, vinculado aos pensamentos de platão, um regime representativo relacionado à Aristóteles e um regime estético que pode ser atribuído à tradição moderna.

Hoje, iremos abordar o regime estético, pois é justamente ele que funda nossa subjetividade atual e que, seja através da negação ou da continuidade, é a base do que entendemos por arte contemporânea.

O que o filósofo francês chama de regime estético, o teórico argentino Reinaldo Laddaga define como cultura moderna das artes.

Segundo Laddaga, uma cultura “é um conjunto de ideias, […] mas também um repertório de ações com que se encontra o participante de uma cena na hora de atuar, repertório que se vincula a um conjunto de formas materiais e de instituições que facilitam a exibição e a circulação de certa classe de produtos e que favorece certo tipo de encontro com os sujeitos a que estão destinadas”.

É importante entendermos isso porque a arte não existe fora da cultura, embora teóricos como o brasileiro Teixeira Coelho estabeleçam oposições entre os termos. O tecido cultural é justamente o terreno em que a prática artística ganha significado.

Como Laddaga nos mostra, “em qualquer momento da história, em qualquer lugar, uma ação destinada à composição de imagens, palavras e sons, desenvolvida com o objetivo de afetar um indivíduo sozinho ou entre outros e forçar o seu fascínio e o seu espanto […], é realizada no interior de uma cultura: não há produção artística que possa ser realizada sem que os agentes da operação tenham uma ideia de que tipo de pressuposições porão em jogo aqueles indivíduos e aqueles grupos aos quais está destinada.”

A arte é uma espécie de jogo, onde os participantes definem certas regras para saber o que se joga, gerando um sentido comum.

Esse pensamento é bem simples: vamos imaginar uma exposição de arte como uma bienal. Todas as pessoas que visitam esta exposição sabem que encontrarão arte nesse lugar, independente se são iniciados ou não. Esse saber também não depende do quão complexa as obras são, pois quando se está em um local culturalmente estabelecido como um espaço de arte, é justamente arte que se espera encontrar lá.

É claro que as relações dos indivíduos com essa cultura será distinta entre cada um. Mas em termos gerais, existe uma concepção coletiva do que é arte e dos locais que ela se destina, por mais que seja possível e desejável ampliar essas concepções. É justamente a essa tecido cultural que Laddaga se refere.

Essa formação que culmina em um regime artístico é algo complexo que depende de muitas redes distintas, e justamente por isso é desenvolvido ao longo do tempo e não de uma hora para a outra. Assim como a transição entre um regime e outro é um processo gradativo, pois as transformações serão sempre mais amplas do que o resumo histórico as vezes faz parecer.

Mas o que caracteriza essa cultura moderna da arte?

Basicamente, a crença de que fazer arte é criar obras, ou seja, objetos; que esses objetos são pedaços materiais sensíveis que se diferenciam de outros objetos do cotidiano; que essa diferenciação proporciona uma experiência única e particular, denominada experiência estética; e que o contato com essa experiência proporciona uma forma especial de estar no mundo.

A partir da noção de que a arte é um objeto peculiar, dotado de um sentido único é que o regime estético se constrói. Podemos colocar como exemplos desse tipo de arte as produções que vão desde o realismo das artes visuais, passando pelo impressionismo e posteriormente todos os movimento de vanguarda que o seguem.

É esse pensamento em relação a obra de arte iniciado sobretudo no final do século XVIII que formou as instituições artísticas que conhecemos hoje. Pois junto com a formulação de um tipo de arte e de uma experiência artística, nascem os espaços ao quais tais obras são apresentadas, onde a experiência ocorre.

Uma imagem do artista também se constrói nessa cultura: o indivíduo que cria isoladamente, longe do local onde a obra será exposta. A individualidade artística se intensifica, assim como a sua liberdade, pois diferente dos períodos anteriores, onde contava com linguagens e públicos bem definidos, a partir da modernidade, as hierarquias são questionadas.

Podemos pegar como exemplo a pintura. No renascimento, a partir do desenvolvimento das técnicas da perspectiva e o claro escuro, a linguagem pictórica ficou bem definida, cabendo ao artista aprender e desenvolver uma técnica que já estava validada e socialmente aceita – assim como seus temas. Da mesma forma o destino destas obras era basicamente a aristocracia, que além de patrocinar a produção era detentora de suas formas de visibilidade.

O museu como conhecemos hoje não existia na época e por isso as pinturas eram destinadas aos palácios reais. Da mesma forma, as classe sociais eram estáticas. As pessoas que não faziam parte das classes mais privilegiadas não tinham acesso à arte, pelo menos não tida como erudita. Com ascensão da burguesia e a criação de sua esfera pública, os artistas passaram a fazer seus trabalho para os que eram considerados parte desta esfera.

A cultura das exposições e dos salões emergem nesse contexto. A partir daí, inúmeros museus ao redor do mundo passaram a serem construídos para receber obras de arte. Sobretudo aquele formato de museu onde encontramos uma parede branca e neutra, capaz de receber um fragmento sensível.

Foi com a criação do regime estético da arte que a noção de que as obras são públicas e direcionadas a qualquer pessoa se estabeleceu. A partir desse momento, os artistas passaram a ter mais autonomia em sua criação, porém, menos controle sobre sua circulação, que agora fica sob responsabilidade das instituições. A obra de arte é criada então para qualquer pessoa com potencial de desvelar seus mistérios.

Esse movimento ajudou a criar a imagem de artista isolado em seu ateliê, debruçado sobre a sua criação. Ajudou também a desenvolver o pensamento de que o local de criação é distinto do local de exibição e que nesse último momento o artista não está presente, pois o que importa é a presença da obra.

Essa obra presente, por sua vez, exige que o espectador desvende seu sentido, em uma espécie de reconstrução da mensagem artística latente na obra. Tal postura do espectador moderno foi muitas vezes entendida por artistas de meados do século XX como passiva.

Mas como aponta Laddaga, não podemos definir essa posição de contemplação estética como passiva, pois, não existe “ninguém mais ativo do que o observador de arte moderna, ocupado em reconstruir as diretrizes para a observação que se encontram em disposições complexas”. Ou seja, reconstituir a criação do objeto a partir do encontro com ele.

O problema apontado por artistas contemporâneos não é exatamente o silêncio, mas sim o fato de que ao se dedicar a uma apreensão estética, o espectador suprime a ação prática no aqui e agora. Nas palavras de Laddaga, “o desenvolvimento dessa atividade tem como condição a supressão de outra: a atividade que consiste em realizar ações orientadas para modificar estados de coisas imediatos no mundo”.

Assim como o objeto artístico moderno pode ser compreendido como um fragmento sensível que se diferencia de todos os outros objetos do cotidiano, “supõe-se ao observador a capacidade de se distanciar de suas conexões ordinárias. Não para sempre, mas no momento em que guia a experiência.”

Me refiro a essa inatividade objetiva do espectador moderno e sua desconexão com sua vida ordinária pois a arte contemporânea, sobretudo a arte de vanguarda se posicionou contra isso ao longo do século XX. Em partes, o que a arte de hoje busca são novas formas de experiências e relações entre espectador, obra e público.

Existe hoje também uma compreensão das teorias da comunicação que indicam que o significado não pode estar puramente no objetos, mas que é construído a partir das experiências e sentidos presentes na subjetividade do espectador e nos espaço que o circula.

A tese de Reinaldo Laddaga parte justamente do pressuposto de que hoje, uma nova cultura da arte está emergindo, onde artistas não trabalham isolados e seus ateliês, se voltam menos para a produção de objetos do que para a criação de situações coletivas e buscam a participação de público nessas experiências, borrando a divisão entre criador e espectador.

Alguns teóricos vão pensar de forma diferente. Para Jacques Rancière, o regime estético ainda prevalece e o que experienciamos hoje é uma espécie de continuidade do que se iniciou no final do século XVIII e se desenvolveu ao longo dos séculos XIX e XX. As mudanças ocorridas durante o último século não são suficientes para pensarmos em um novo regime, mas sim em transformações internas a esse regime.

O teórico brasileiro Roberto Tassinari ao analisar as relações espaciais da arte também chega a uma conclusão semelhante. Para ele, o espaço da arte moderna se inicia a três séculos atrás e chega a sua plenitude na atualidade.

Porém, a tese de Laddaga é interessante, pois ele analisa sobretudo a produção feita a partir dos anos 90, que em certa medida se diferencia bastante dos experimentos artísticos das décadas de 60 e 70. Principalmente por sua dimensão relacional, como chamaria o crítico francês Nicolas Bourriaud.

A partir da última década do século XX, artistas passaram a tentar aproximar a arte do público, já que as práticas vanguardistas anteriores trouxeram experiências que podem ser consideradas chocante e por isso foi acusada de ser distanciada.

Um exemplo desse tipo de trabalho pode ser encontrado nas proposições do artista Rirkrit Tiravanija, que a partir dos anos 90, ao invés de expor objetos em museus, convida os espectadores para degustar uma refeição e a partir disso estabelecer diálogos.

Esse tipo de proposta desloca um pouco as ideias de artista, obra e público que a cultura moderna das artes nos proporcionou, e mais do que a apreensão de um significado inerente a um objeto, busca a instauração de relações humanas que visam “modificar o estados das coisas no aqui e agora”, como diria Laddaga.

Mas estando ou não em um novo regime, o conceito é que a arte hoje, de uma forma negativa ou positiva, se relaciona diretamente com a cultura moderna e suas noções de obras, artistas e espectador. E como vimos, essas noções não são naturais, como às vezes podemos pensar, mas foram construídas ao longo do tempo a partir das transformações sociais.

Atualmente nossa sociedade também está em mudança. Vivemos em um mundo cada vez mais globalizado e mediatizado, com seus fluxos de pessoas, dinheiro e informação.

Há algumas décadas o termo pós moderno foi usado para nomear este momento, mas o conceito é controverso, já que ao mesmo tempo em que algumas característica da atualidade se diferenciam de uma modernidade distante, outras parecem simplesmente ser uma continuidade da mesma.

O que é importante entender é que independente das semelhança e diferenças entre nosso presente e nosso passado, a forma que vemos e entendemos a arte é uma construção cultural e como tal está passível de ser modificada.

Como afirmou o artista Joseph Kosuth nos anos 70 em uma auto entrevista, “ser um artista hoje significa questionar a natureza da arte”. Isso quer dizer que a medida em que a arte é produzida uma determinada cultura e regime artístico pode se transformar.

Fazer arte na contemporaneidade é justamente dialogar com a herança de uma cultura artística, para nesse processo, modificá-la. Essa é a importância de compreendermos o processo de construção de uma cultura artística.

***

Referências:

RANCIÈRE, Jacques. A Partilha do Sensível. Obter Livro

LADDAGA, Reinaldo. Estética de la Emergencia. Obter Livro (Espanhol)

FERREIRA, Glória; CONTRIM, Cecilia (Orgs). Escritos de Artistas. Obter Livro

Livros Citados:

Tassinari, Alberto. O Espaço Moderno. Obter Livro

BOURRIAUD, Nicolas. Estética Relacional. Obter Livro (Espanhol)

 

Compartilhe esse conteúdo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp